Você está aqui: HomeDicas da NutricionistaProjeto Saúde: odeio comer verduras e legumes. O que fazer?

Projeto Saúde: odeio comer verduras e legumes. O que fazer?

Avaliação do Usuário
PiorMelhor 

Projeto Saúde: odeio comer verduras e legumes. O que fazer?

Percebo hoje a grande preocupação por parte dos pacientes, sejam adultos ou crianças, que gostariam de se alimentar melhor, mas simplesmente ODEIAM qualquer coisa verde ou colorida no prato. O que fazer nesses casos, hein? Como acostumar o paladar (quando não se é mais uma criança) com novos sabores?! TODOS sabem da importância destes alimentos: em todas as orientações nutricionais que recebemos, a primeira coisa que se fala é da importância das frutas, verduras e legumes para a saúde. Para quem não aprecia o sabor dos vegetais, mas deseja se alimentar melhor, isso pode ser um pouco angustiante…

Ok!,  Já sei que preciso comer isso, mas me ajude a justamente COMER ISSO! Eu não gosto… como poderia passar a gostar? ”.

Para que possa ajudar, eu também preciso da sua colaboração, certo? Isso só pode dar certo se VOCÊ estiver aberto (a) a abraçar novos hábitos alimentares.

O primeiro passo já foi dado: se você chegou até aqui (procurando por uma nutricionista), é porque já está interessado (a) no assunto, o que é um ótimo sinal: você já está aberto (a) a algumas dicas de nutrição. Espero, sinceramente, que eu te ajude de alguma forma. Estou aqui para ajudar… Este é meu único objetivo aqui: passar um pouco do que sei para quem precisa. Ainda tenho muito a aprender, pois nunca sabemos tudo e na verdade, nunca saberemos. Mas o que sei, gosto de compartilhar conhecimento e informação.

Vamos ao que interessa!!!

Ninguém nasce amando bolacha recheada. Você descobre que AMA quando experimenta. Somos rodeados de guloseimas o tempo todo… você sai de casa e cruza com algum lugar que vende comida a cada esquina. São anos de exposição a alimentos cheios de açúcar e gordura. Como trocar isso por verduras, legumes e vegetais?!

Nunca é tarde para se alimentar melhor. Uma boa alimentação traz resultados positivos em alguns dias: seu intestino passa a funcionar melhor, seu humor melhora e assim você vai melhorando sua qualidade de vida. Tudo é muito lindo na teoria, mas na prática é mais complicado. Todos nós trazemos uma história por trás dos nossos hábitos alimentares: você pode não gostar de milho porque sua mãe simplesmente odiava e nunca comprou milho na vida. Se ela sempre disse que era horrível e sua mãe é uma figura de referência para você, com certeza você achará que milho é muito ruim, afinal sua mãe sempre está certa, não é?!

Como mudar hábitos alimentares tão “enraizados” dentro de nós?

Isso não acontece do dia para noite. É um processo e toda evolução deve ser comemorada.

1) Abandonando o vício…

 

A verdade é que o consumo frequente de alimentos açucarados e gordurosos viciam. Despertam uma área do cérebro que relacionam esses alimentos com uma tremenda satisfação de bem-estar. E quem não gosta de se sentir bem, não é? Acontece que você passa a ficar cada vez MENOS satisfeito com uma quantidade cada vez MAIOR. O bombom já não é tão doce… Você precisa de dois ou três para ficar satisfeito (a). Mas o oposto (felizmente) também acontece: quanto MENOS você come algo, MENOR será sua vontade de comer. PERFEITO! Então se você simplesmente parar de comer chocolate por um tempo, vai desacostumar seu paladar. Quando comer chocolate novamente, um pequeno pedaço já vai te satisfazer. Cortar o açúcar pode parecer um pouco radical, afinal se você não consegue ficar sem seu café com açúcar, corta-lo de repente pode ser um pouco traumático. Então vá aos poucos: se você coloca três colheres de chá de açúcar no café, tente colocar duas na próxima semana. Na próxima, tente reduzir para uma… Em um mês, você perceberá a redução do peso de forma natural, já que consumirá menos calorias.

 

Reduza o açúcar aos poucos: menos uma colher de chá por semana, e assim vai… É possível, basta querer!

 

 

2) Tente novamente…

Para que uma criança “bata o martelo” quanto a gostar ou não de um alimento, ela precisa experimenta-lo oito vezes.

 

Sem desconfiança… Tente novamente!

Como assim?!

Vamos supor que a Maria, de seis anos, não gosta de melancia. Sua mãe tentou uma, duas, três vezes e nada… Maria não gostava da consistência da melancia e por mais doce que fosse, não conseguia come-la. Até que Maria experimentou o suco de melancia e amou! Dessa forma ela passou a tomar o suco da fruta e obter todos os nutrientes que ela oferece para saúde.

Esta pequena história foi para ilustrar o que os estudos mostram: para saber se a criança definitivamente não gosta de algo, deve-se oferecer o alimento oito vezes de diferentes maneiras. E o mesmo acontece com os adultos! Se você detesta abobrinha, pode mascarar seu sabor no meio de uma sopa ou faze-la no forno como um chips… Depois de provar algo de 3 a 5 vezes, você vai começar a pensar: “Isso não é tão ruim como eu achava!”.

3) Tente outras preparações!

Apreciar ou não uma refeição depende muito de como está apresentada. Pode perceber: quando um prato está bonito e com um cheiro agradável, salivamos! O olfato desperta nosso paladar e a visão também… Se você não gosta de couve-flor, por exemplo, que tal gratinar com queijo ou empanar com farinha de castanhas no forno? E se você simplesmente detesta legumes, experimente refoga-los com um pouco de molho shoyu ou manteiga! Não precisa afogar os legumes no molho… Apenas utilize estes condimentos para deixá-los macios, saborosos e bem temperados. O que você está fazendo é mascarar o sabor. Depois de várias exposições, o cérebro passa a associar o alimento com o sabor do queijo ou do molho e assim te trará uma sensação positiva. Com o tempo você não precisará dessas artimanhas e você vai passar a procurar novos alimentos e sabores por conta própria.

 

 

Legumes camuflados…

 

Um bom molho muda tudo…

Outra maneira de introduzir os legumes em sua vida é no formato de chips. Basta cortar abobrinha, abóbora, cenoura ou beterraba em fatias bem finas, como chips e deixar por uns 40 minutos em forno médio, até que fiquem crocantes. Assim você vai se familiarizando com o sabor. Use a criatividade!

4) Não confie no seu nariz!

 

Ás vezes não é o sabor do alimento que não te agrada e sim o seu cheiro. O pimentão verde, por exemplo, possui um sabor um pouco amargo, mas seu cheiro é doce e por isso a maioria das pessoas o classifica como um alimento agradável e versátil na cozinha. No caso dos vegetais com mais odor, como o brócolis ou a couve-flor, para torna-los mais palatáveis basta ferve-los ou cozinhar bem para remover compostos sulfurosos (responsáveis pelo cheiro característico destes vegetais). Em seguida, apresente-os de forma diferente: misturados bem picadinhos em uma saladona, gratinados ou no recheio de tortas e quiches misturados a outros ingredientes como ricota ou frango desfiado. E uma dica curiosa: nosso olfato está mais fraco à noite. Por isso aproveite o horário para se aventurar em experiências gastronômicas, já que o cheiro não te influenciará tanto.

5) A aparência é tudo!

 

Como eu disse lá em cima e repito: a apresentação da refeição É TUDO! Se eu fizer uma salada e colocar em uma travessa jogada de qualquer jeito, sem molho e com tudo mal cortado, acho que não despertarei seu apetite. Agora, se eu pegar os mesmos ingredientes da salada anterior e colocar no prato de um jeito bonito, com um molho de ervas  gostoso e cheiroso, certamente você ficará com mais vontade de come-la. Capriche na hora de montar sua refeição!

6) Ajuste o volume…

 

Ainda não se sabe o porquê, mas a trilha sonora da sua refeição pode influenciar seu paladar. Ruídos altos, buzina, gritaria… Tudo isso pode fazer a comida ficar menos saborosa. Dessa forma você também fica menos propício a escolher verduras e legumes, já que precisa se satisfazer. E o que poderia te dar mais satisfação do que um bom doce ou um alimento gorduroso? Um estudo mostrou que pessoas que se alimentavam com músicas clássicas como trilha sonora achavam o sabor dos alimentos mais agradável. Então quando for experimentar um novo alimento, tente não fazer isso em um ambiente muito agitado e cheio de informações.

7) Deixe tudo picadinho e…

Uma dica boa para quem não tem o costume de comer verduras é começar com os tipos mais básicos como a alface e picar tudo bem picadinho… Quanto menor a área, mais molho vai absorver e assim fica mais fácil para comer e mais saboroso também. Corte tomate, pepino e palmito em cubos bem pequenos e junte às folhas bem cortadas… Acho que assim pode ser que você goste!

Tempere bem!

Para quem quer começar a introduzir os alimentos verdes em sua vida, tudo é válido. Depois de picar tudo, tempere bem a sua salada. Coloque seu molho favorito, seja ele industrializado ou caseiro. Com o tempo você acostuma com os verdinhos e nem vai precisar mais do molho! Um bom molho feito com limão, vinagre, azeite e sal já vai te satisfazer!

8) Se mesmo assim não der, tente no suco!

Resultado de imagem para sucos naturais png

Se nem assim você se adaptar com os nossos queridos vegetais, tente colocar couve ou espinafre no suco, por exemplo. Ou misture a cenoura e a beterraba com a laranja, uma fruta doce que mascara bem o sabor dos outros alimentos.

 

Compartilhar

You have no rights to post comments

Quem Está Conectado?

Temos 16 visitantes e Nenhum membro online

Visitantes

612968
Hoje
Ontem
Nesta Semana
Última Semana
Este Mês
Último Mês
Geral
16
1057
4486
601972
12913
33540
612968

Seu IP: 164.132.161.50
Hora do Servidor: 2017-12-15 00:32:54

Coach

Logo_Coach.png
DESIGN_BY

Distributed by SiteGround